Spotify Discover Weekly – Semana 02

Spotify faz as melhores escolhas e sempre que fico viciada em uma playlist gosto de compartilhar para que outros ouçam essas músicas fantásticas!

Só para constar, não posto, nem sei se valeria a pena postar todas as listas de todas as semanas, mas sempre que uma lista me viciar, acho que vale a pena.
Talvez seja bom pensar em fazer uma lista com as melhores músicas das playlists montadas pelo spotify… Veremos!

Essa semana foi uma semana que me surpreendeu e me aprisionou, não consegui ouvir nada além dessa lista, então, vamos à ela!

  1. Follow you anywhere – Monica Heldal
  2. At last – Aretha Franklin
  3. Love me like you do – Daniel de Bourg, The Janes
  4. Apenas mais uma noite de amor – Lulu Santos
  5. Chocolate (acoustic version) – The 1975
  6. Blackbird (acoustic) – Ernie Halter
  7. My love (acoustic) – Jess Glynne
  8. One woman one man – Magic!
  9. Divisionary (do the right thing) – Ages and Ages
  10. Feels like home – Lisa Lois
  11. Lover, please stay (live) – Nothing but thieves
  12. Is this love – Sye Elaine Spence
  13. Janta – Marcelo Camelo
  14. In Love by now – Jamie Foxx
  15. You’ve got a friend – James Taylor
  16. You’re the one that I want – Lo-Fang
  17. Latch – Natalie Taylor
  18. Sweater weather – James Harris
  19. Somewhere over the rainbow – The Ukulele Boys
  20. Blank space – Rhodes
  21. Wild horses (acoustic version) – The Rolling Stones
  22. Hold on, we’re going home – Nick Mulvey
  23. Are you with me – Suzan & Freek
  24. Paciência – Lenine
  25. Por onde andei – Nando Reis & Os Infernais
  26. Told you so – Kathryn Dean
  27. Esquecimento – Skank
  28. You there – Aquilo
  29. Anymore of this – Mindy Smith, Matthew Perryman Jones
  30. The morning – Alanis Morissette

Paintstorm Studio

Há cerca de duas semanas descobri o Paintstorm Studio enquanto via o g+ da Wacom e fiquei super curiosa sobre o programa. Decidi baixar o demo e, apesar de ter aberto antes, não abri com tempo ou atenção. Só ontem consegui sentar e fazer os testes que queria e ontem mesmo decidi comprá-lo!

A primeira coisa que notei é que é os atalhos são praticamente os mesmos do Photoshop e totalmente personalizáveis, o que facilita muito na hora do primeiro contato.
Os menus e submenus são simples e bastante intuitivos, não entrarei em detalhes nesse post, mas um destaque é a possibilidade de ter diferentes workspaces, skins e conjuntos de atalhos salvos para diferentes tipos de trabalhos.

A quantidade, a variedade e o nível de personalização dos brushes e blenders é impressionante. Além da possibilidade de criar novos. É possível controlar a presença das cerdas, o tamanho, opacidade, transparência, quantidade de tinta, se vai ou não reconhecer as cores da camada abaixo – o que afeta as misturas e as sujeiras que o pincel carrega… E muitos outros similares aos do photoshop e, claro, nativos do uso de tablets, como pressão, inclinação, rotação…
Infelizmente não vi a possibilidade de criar uma coleção apenas com os brushes personalizados.

Meu primeiro teste

Paintstorm Studio - Primeiro Teste

Basicamente um teste dos diferentes brushes e blenders enquanto me acostumava com a interface.

Sobre a interface é muito legal dizer que todos os itens podem ser abertos, fechados, arrastados, reposicionados, mas infelizmente não são flutuantes como os da Adobe e, por isso, não é posivel deixar a sua tela em um monitor e as ferramentas no monitor secundário, criando mais espaço e liberdade de movimento.

Paintstorm Studio - Blender

O reconhecimento e precisão quando utilizando tablet – aqui uso uma wacom intuos 4 – é muito prático e muito bom, ou seja, nada de traços tremidos ou, como dizia meu professor, traços peludos!

Paintstorm Studio - Lápis

Num primeiro momento tive dificuldades com os atalhos da própria tablet para aumento e redução dotamanho do brush, mas como disse antes tudo é muito facilmente personalizável e bastou clicar com o botão direito e redefinir o atalho – com direito a personalizar o quanto variará em tamanho a cada passada de dedo pela roda.

Algumas funções que vale a pena testar é o modo caleidoscopio e os brushes de efeitos e shapes, que ajudam a criar coisas incríveis sem o menor esforço!

Paintstorm Studio - Caleidoscopio

Algumas das razões para comprar

Por tempo limitado, o custo é de $29.00, ou R$119,00, com direito a uma licença dupla, onde você pode instalar em dois locais, sejam dois computadores, seja um computador e um tablet…
É uma versão mais simples, menos recheada do Corel Painter, mas com funções e possibilidades bastante semelhantes e como um primeiro passo para aprender melhor a manipular tintas digitais, ou ferramentas que simulam muito bem as tintas tradicionais, achei que esse era um programa bastante simples e bastante razoável pelo seu preço. Se você, como eu, não precisa de muitos recursos e ainda está aprendendo as técnicas de pintura digital me parece o investimento perfeito!
Além disso os updates serão feitos sem custo para sempre, sendo assim, tenho certeza que cada vez mais se aproximará do Corel Painter e, espero que se mantenha leve assim.
Minha máquina roda com 16GB de RAM e o Corel Painter consegue consumir tudo enquanto tento usar alguma função real, como a real watercolor.

Uma das coisas que não sabia, mas que me fez muito feliz foi poder trabalhar com layers, folders e salvar em .PSD. Dessa forma tenho certeza de que renderá belos trabalhos cooperativos onde podemos usar o Painterstorm Studio, o Corel Painter e, claro, o próprio Photoshop.

Alguns Tutoriais para encher os olhos

Minha primeira impressão não podia ter sido melhor e decidi escrever sobre ele, pois já que é uma nova ferramente, nada melhor do que saber um pouquinho mais antes de investir.
Mas posso dizer que para uso profissional ou apenas por hobby, o Paintstorm Studio parece ser uma belíssima alternativa!

Balzaquiana

Hoje o dia começou diferente.

Acordei bem cedo, por volta de 6:30am, madrugada! Arrumei a cama – bem mais ou menos, para ser sincera. Trabalhei em um projeto que demandou muito mais tempo do que o esperado enquanto aguardava um outro projeto que estava para acontecer. Enviei o primeiro projeto. Assisti à uma palestra online, respondi aos emails, trabalhei no segundo projeto, almocei e então, de repente os 30 me atingiram! À 1:30pm eu me tornei uma trintona!

Ainda me soa um tanto surreal já ter atingido essa idade, porque é bem assustador quando penso no que eu tinha em mente para os meus 30 e o que existe de fato.

Felizmente estou em um momento incrível da vida, onde tudo está dando certo, mas, ao mesmo tempo, existe um relóginho – ok, uma bomba relógio – que me alerta sobre vários fatos e, nem sobre todos eu posso ter o controle da situação, o que faz essa bomba, não ser apenas uma bomba… Algo mais próximo de uma ogiva nuclear.

Casa, finanças, economias, família criada, com filhos, cachorros, gatos, papagaios *calopsitas – cough-cough*, sucesso, prosperidade, bens, saber dirigir e não só ter a habilitação, milhares de livros como repertório – e filmes. E viagens! Viver em outro lugar! Idiomas, culturas, hitórias… UFA! E, por que não, dezenas de jogos zerados?!
Tantos objetivos, vontades, metas, coisas que tinha certeza que teria atingido aos 30, mas, na verdade, sequer começaram… Ruim? Um pouco… Mas então pensei melhor!

Ainda tenho meus avós paternos, com quem moro desde uns 3 anos de idade, estão saudáveis, rabugentos, mas bem! Tenho uma família que se preocupa muito comigo e que sei que sempre estarão lá – como pretendo estar por eles. Tenho um irmão-filho, que nasceu 14 anos depois de mim e me faz perceber que, embora mais madura e sabida, nunca, nunquinha, vou deixar de ser quem sempre fui! Poucos amigos, mas amigos-amigos, amigos-irmãos!

Há um ano, precisamente 14 meses agora que já é dia 09, estou namorando alguém que conheço desde a adolescência. Embora o contato nem sempre tenha sido intenso, sempre tivemos carinho, respeito, saudades e vontades de estarmos e sermos mais próximos – e agora que somos, o pobrezinho quer correr!
E nesse relacionamento de muitos altos e baixos – como sou parte da cena, altos muito altos e baixos muito baixos – me sinto em uma fase maravilhosa, onde só consigo ver coisas boas no presente e no futuro! Momentos difíceis vão acontecer, fato! Mas uma vez que você aceita o fato, passam a não ser difíceis, só demandam um pensamento aprofundado da situação e soluções!

Esse ano trabalhei fora e, apesar de não ter dado certo, foi uma experiência fantástica, pois me deu a certeza de estar trilhando o caminho certo trabalhando de forma independente – control freak mode on. E, de volta a trabalhar de forma independente, com mil projetos em mente, alguns acontecendo, uns começando, outros evoluindo… Eu me sinto inteiramente feliz! Cansada, mas muito, muito realizada e cheia de certezas!

Voltando ao título…
“Como você se sente como uma balzaquiana?” – Minha tia/madrinha perguntou.
E embora conhecesse o termo, nunca soube o significado, mas posso garantir que sinto que apesar da vida não estar no ponto que eu imaginava quando tinha 15 anos, digo:

— Me sinto a mais nova e feliz balzaquiana!